Ouça agora na Rádio

N Notícia

Província chinesa busca fortalecer rotas com America Latina e Caribe

FOTO: Arquivo pessoal

Província chinesa busca fortalecer rotas com America Latina e Caribe

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia participou nessa semana  da 1ª Exposição e Fórum Internacional China-América Latina e Caribe (CLAC Expo), em Zhuhai, província de Guandong, no sul da China.

O secretário adjunto Evandro Fontana e a assessora técnica da SDECT Maria Paula Merlotti representaram o Rio Grande do Sul a convite dos organizadores, com despesas custeadas pela organização.

Representantes de 24 países participaram do evento, que contou também com membros do governo central chinês e da zona de comércio composta por Zhuhai, Macau e Hong Kong. Esta região é uma das mais importantes do comércio internacional, concentrando portos e aeroportos que promovem o maior volume de exportação e de importacão da China, segunda maior economia do mundo.

Houve assinatura de 14 projetos e diversos acordos de cooperação na Exposição Internacional China América Latina e Caribe. No caso do Rio Grande do Sul, empresas gaúchas também participaram dos trabalhos.

Para os empreendedores chineses a América Latina tem espaço, é rica e tem semelhanças com Zhuhai, que junto com Macau e Hong Kong formam um triângulo portuário de exportação/importação daquele país. A China vê a América Latina como uma possibilidade de extensão da Rota da Seda.

Além da exposição de aproximadamente 500 entidades, entre empresas e órgãos governamentais, o evento contou com fóruns, assinaturas de acordos e a inauguração de um centro de cooperação entre China, América Latina e Caribe. O centro, composto por oito prédios numa área de 85 mil metros quadrados, está sendo construído pelo governo chinês em Zhuhai. Vai abrigar escritórios, incubadoras, apoio jurídico às empresas e governos que queiram estreitar laços com a China, além de áreas voltadas à inovação.

A China é o maior destino das exportações gaúchas (26%) e a segunda maior origem das importações do estado (11%)”.

Texto: Ascom Sdect
Edição: Léa Aragón/ Secom

FONTE: GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
Link Notícia